banner topo

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Solenidade da Premiação “Troféu Jaburu 2014”



        A sessão solene de entrega das mais altas comendas da área da cultura do Estado de Goiás, realizada pelo Conselho Estadual de Cultura e presidida pelo governador do estado, Marconi Perillo, recepcionou os convidados com um belíssimo recital do Quarteto de Cordas da Orquestra Jovem do Estado de Goiás – Maestro Eliseu Ferreira – CEP Basileu França.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Primeiro diretor do Departamento de Artes e Arquitetura recebe Troféu Jaburu

 Primeiro diretor do Departamento de Artes e Arquitetura recebe Troféu Jaburu
Foto: Divulgação Diene Batista para o PUC Notícias

O Conselho Estadual de Cultura do Governo de Goiás entrega nesta terça-feira, 2, às 20 horas, o Troféu Jaburu 2014 e as medalhas do Mérito Cultural, além de diplomas de Destaque Cultural do Ano, no Palácio das Esmeraldas, a partir das 20 horas. O artista plástico José Amaury de Menezes, um dos fundadores e primeiro diretor do Departamento de Artes e Arquitetura da PUC Goiás,  receberá o Troféu Jaburu, em reconhecimento à trajetória dedicada a arte. “Sua história está ligada a momentos de maturidade e ascensão neste segmento, com a aplicação de técnicas e estilos modernos”, destaca a organização da homenagem.

Durante a solenidade de entregas serão conferidas também seis Medalhas de Mérito Cultural, para os segmentos culturais: Ciências Humanas, Memória e Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural; Artes Cênicas; Audiovisual; Música; Artes Visuais e Letras. Também serão outorgados 20 diplomas de Destaque Cultural do Ano, para aqueles que se sobressaíram na área cultural.

Prêmio
Criado em 1980, pelo Conselho Estadual de Cultura de Goiás, o Troféu Jaburu é o maior e mais significativo prêmio cultural do Estado, dedicado às pessoas e às entidades que mais se destacaram no campo da cultura no estado. O troféu recebeu o nome Jaburu em referência a uma das aves símbolo da natureza, que habita toda a América em torno das grandes bacias hidrográficas e que se encontrava ameaçada de extinção. O Troféu, em bronze, foi escolhido por meio de concurso, e tem autoria da artista plástica Neuza Moraes.

Em 34 anos de existência, o Troféu Jaburu já se destinou a diversos artistas e personalidades, entre tantos outros que ajudaram a escrever a história cultural de Goiás. Nomes como o da poetisa Cora Coralina, a primeira homenageada, Siron Franco, Afonso Félix de Souza, Ana Maria Pacheco, Bariani Ortêncio e Belkis Spenzieri Carneiro de Mendonça, estão entre outros que figuram na lista de agraciados com o Troféu.

Homenageado
Professor, pintor, desenhista e escritor, Amaury Menezes nasceu em Santa Luzia, atual Luziânia, Goiás, mudou-se ainda muito jovem para Goiânia e aqui reside desde 1936. Iniciou sua formação artística na Escola Goiana das Belas Artes, da atual Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás). Foi aluno dos professores Frei Confaloni, DJ Oliveira, Gustav Ritter e Luiz Augusto do Carmo Curado, mestres consagrados no campo das Artes Plásticas em Goiás.
Lecionou Desenho e Plástica na Escola Goiana de Belas Artes e no Departamento de Artes e Arquitetura da então Universidade Católica de Goiás (UCG), do qual foi um dos fundadores e seu primeiro diretor.   

Destaca-se como um dos principais aquarelistas de Goiás; passou a utilizar elementos dessa técnica em seus trabalhos de pintura em tela. De forma individual ou coletiva, suas exposições, sempre elogiadas pela crítica, foram realizadas em Goiânia, Cidade de Goiás, Brasília, Vitória, São Paulo, Belém, Rio de Janeiro, Dijon e Paris, na França, e Miami, nos Estados Unidos. Notabiliza-se por adotar temática visualizando paisagens e logradouros públicos da vida urbana de nossa capital.

Além do magistério e do trabalho como artista plástico em pintura e desenhos, é autor do clássico Da Caverna ao Museu: Dicionário das Artes Plásticas em Goiás, com três edições é uma das mais importantes publicações do gênero. 

MEDALHAS DE MÉRITO CULTURAL
São entregues ás pessoas que se destacaram por suas constantes atividades na promoção ou produção cultural em cada uma das seguintes áreas:

1.    ARTES CÊNICAS
A Cia Oops de Teatro, ao longo da última década, destacou-se no cenário nacional pelas produções que foram premiadas e pelos projetos desenvolvidos em favor do fortalecimento do teatro de Goiás. Com seriedade e preocupação profissional, pauta seu trabalho de modo a dignificar os atores, incluindo-se a remuneração digna aos seus autores.
Há mais de dois anos tem sobressaído em grandes festivais nacionais e internacionais, levando a crítica a olhar a produção teatral realizada em Goiás.

2.    ARTES VISUAIS
Hélio de Oliveira é agraciado com Medalha em razão do pioneirismo exercido como “repórter fotográfico”, denominação que se dava à profissão naquela época, hoje chamada de fotojornalismo. O trabalho de fotógrafo foi iniciado nos primórdios de Goiânia, no governo constitucional de Pedro Ludovico, em 1951. O acervo de suas fotos foi dado a conhecer ao público em 2010, no livro “Eu vi Goiânia crescer” editado em dois volumes, mostra imagens captadas durante várias décadas da Capital. Retratam a vida cultural, social, desportiva e arquitetônica da capital de Goiás.

3.    AUDIOVISUAL
Carlos Cipriano Gomes Júnior é cineasta e professor universitário de Audiovisual. Exerce, de forma contínua, atividade do segmento cinema, ostentando várias produções sob seu nome, como produtor. É presidente da ABD (Associação Brasileira de Documentaristas/Seção de Goiás). Ocupa posição de destaque na produção do audiovisual goiano, assim como na cultura de todo o estado. É um grande ativista cultural.
Por mais de cinco anos, integrou o Conselho Estadual de Cultura na qualidade de membro titular e membro da Câmara de Audiovisual e Câmara Técnica de Legislação e Normas. Foi Vice-Presidente e, depois, Presidente até setembro de 2014.

4.    LETRAS
Braz José Coelho é um importante intelectual goiano. Graduado em Letras Vernáculas pela Universidade Católica de Goiás, é Doutor em Linguística e Língua Portuguesa e professor no Campus de Catalão da Universidade Federal de Goiás. Autor de vários livros de contos, poesia e linguística. Seu livro “Peonagem e Cabroeira” é considerado um clássico da literatura goiana, elogiado pelos maiores críticos brasileiros, entre eles, Wilson Martins.

5.    MÚSICA
Madrigal Helcanto (Professora Heloísa Barra da Veiga Jardim)
Trata-se de um dos mais antigos grupos musicais de Goiânia. Está em franca atividade, com seguidas apresentações em diferentes eventos sociais, cívicos e religiosos de nossa Capital. É dirigido pela professora Heloísa Barra da Veiga Jardim.


6.    MEMÓRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL

A Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passos, da Cidade de Goiás, foi instituída no ano de 1745. É uma das mais antigas do Estado, ou talvez a mais antiga, pois data do século XVIII. Está em franca atividade neste ano de 2014. Apesar de ser antiga, com idade de 269 anos, têm sintonia com a modernidade.

DIPLOMAS DE DESTAQUE CULTURAL DO ANO 2014
Os diplomas de destaque cultural do ano são entregues, como seu próprio nome indica, às pessoas que nos últimos doze meses realizaram atividades culturais de destaque na área cultural e/ ou artística. São eleitos até no máximo 20, dentre o vasto universo de atividades.


Rafael Blat é ator, produtor cultural e professor de Produção Cênica no Centro Profissional em Artes Basileu França. Dentre seus últimos trabalhos estão: com o Grupo Arsênicos dirigiu o espetáculo “Dom Fernando”; representou o Estado no 2º Congresso Brasileiro de Teatro de Florianópolis; com outros artistas goianos, participou ativamente do projeto “SESC Dramaturgia”.


Kleber Damaso Bueno é propulsor da dança em Goiás. O trabalho que executa destaca-se por ser fundamentado em pesquisa, difusão e produção da dança. Em 2014, contribuiu de forma significativa para inserir Goiás no rol das cidades com grandes eventos e mostras de dança. Lançou a edição 2014 do “Conexão Samambaia” e da “Manga de Vento”.


Manoel Dias da Motta nasceu em Catalão em 1918. Mora em Itaberaí desde 1937. Casado há 65 anos, tem 13 filhos, sendo dois adotivos. É escultor e seus trabalhos em madeira estão no Brasil e no Exterior, inclusive na França e Itália. Como profissional, foi lavrador, carpinteiro de carros de boi, pedreiro e artesão. É artista de mão cheia. Suas peças são esculpidas em madeira e nelas Manoel Motta imprime forte vínculo com a religião. Saem de suas mãos belíssimos vasos sacros, como cálices, patenas, âmbulas, jarros e outros objetos reproduzindo metais litúrgicos.


Marta Brandão Rezende Carneiro destacou-se no último ano pelo trabalho desenvolvido na Academia Mineirense de Letras e Artes e na ação museológica em escolas ao mostrar para as crianças a História de Mineiros. Aplicando um método comparativo, com fotos e exposições, mostra o antes e o depois da cidade. É jornalista literária e grande articuladora entre agentes da cultura.


Rodrigo Alves recebe o “Diploma de Mérito Cultural” pelo trabalho no suplemento Magazine do jornal O Popular. É um incansável divulgador de atividades culturais nas áreas da literatura, artes plásticas, teatro, música e cultura popular. Em 2013, focalizou o setor de Política Cultural, com destaque para a Lei Goyazes, Fundo de Arte e Cultura e Conselho Estadual de Cultura.


O Maestro Ângelo Dias é graduado em Canto pela Universidade Federal de Goiás onde atualmente leciona na Escola de Música e Artes Cênicas. Cursou doutorado na área de Canto e Regência Coral, nos Estados Unidos. Atua em canto lírico, ópera, canção de arte brasileira, literatura e repertório para canto, coro e regência coral. Em 2013, participou de apresentação do Requiem de Mozart.


Di Magalhães é natural da Cidade de Goiás e Bacharel em Artes Visuais, com habilitação em Pintura e Gravura, pela Universidade Federal de Goiás. É artista plástico com exposição na Cidade de Goiás e Goiânia. Atualmente, divide suas atividades culturais entre Goiás e o Paraná. É professor de pintura no Centro de Criatividade da Fundação Cultural de Curitiba. Realiza exposições em hospitais para angariar recursos a serem revertidos em auxilio da respectiva entidade.


Maria das Graças Fleury Curado é escritora. Como presidente do Instituto Paulo Bertran divulga a História de Goiás em jornais, revistas e na mídia televisiva. É propulsora de atividades culturais com ênfase para a organização e execução de saraus.


Maria Lúcia Félix Bufáiçal insere-se no universo literário de Goiás pela densidade de sua produção acadêmica. É intelectual largamente conhecida no meio cultural goiano face à publicação em livros e periódicos literários. Escritora e poetisa, é cronista do jornal O Popular.


O Assum Trio é formado pelos músicos Diones Correntino, pianista, Johnson Machado, clarinetista, e Fabiano Chagas, violonista. Os três são professores da Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás. O repertório inclui composições próprias e arranjos sobre criações musicais consagradas. Destaca-se neste Trio, a musicalidade diversa e contrastante, que vai da música popular brasileira à latino-americana, ao jazz e música clássica.




O Instituto Histórico e Geográfico de Goiás destacou-se em 2013 pela programação comemorativa dos 80 anos de Goiânia. Foram realizados simpósios e debates sobre aspectos históricos de Goiás e de Goiânia dos quais participaram historiadores, professores universitários, poetas, escritores e jornalistas. As atividades comemorativas da data motivaram a publicação de livro com escritos em prosa e verso de autores ligados ao Instituto. Outros destaques comemorativos foram: o concurso “Vida e obra do historiador, poeta e político José Peixoto da Silveira” e os trabalhos de recuperação de coleção do jornal “Folha de Goiaz”, realizados com incentivos da Lei Goyazes.


É historiadora e pesquisadora, com doutorado em História realizado na Universidade Estadual de São Paulo (UNESP). Maria Helena salienta-se no meio acadêmico pelos estudos versados na região sul de Goiás, de relevante alcance temático e profundidade de conteúdo. Afora o veio de pesquisadora, ressalta-se o trabalho sociocultural, voluntário, de resgate de tradições e valores, desenvolvido com os coordenadores da Escola Emílio Blanke, da Associação de São José, com vista ao desenvolvimento do projeto “Bela Vista: nossas vidas, nossa História”. Desse trabalho participam os alunos que vivenciam as atividades socioeducativas da Entidade. 


Iraci Borges desde os 16 anos de idade atua, concomitantemente, na área da educação e da cultura. Na condição de propulsora cultural, é incansável batalhadora. Teatro e apresentações artísticas diversas compõem seu metier, devendo-se a ela a iniciativa da 1ª Exposição de Artes na Escola Santo Afonso. É autora de peças teatrais. Há mais de ano tem trabalhado diuturnamente para a salvaguarda da Academia Trindadense de Letras, Ciências e Artes, entidade cultural que ajudou a fundar há 24 anos. 


Dalton de Paula é agraciado com o Diploma de Destaque Cultural por sua intensa atuação artística realizada em Salões de Arte Contemporânea, em Goiânia, Anápolis e em diversos Estados brasileiros. Recentemente, participou da exposição coletiva “Histórias Mestiças” no Instituto Thomie Otake, em São Paulo.


Cláudio Livas é figurinista com intensa atividade no Estado de Goiás. Seus figurinos abrangem diversas linguagens cênicas, principalmente nos segmentos da dança, teatro e circo.


A Cia de Teatro Novo Ato destacou-se em 2014 com a inauguração do “Espaço Cultural Novo Ato”, espetáculo “Dois Patetas Cada Qual no Seu Barril” com o Grupo “Chama Viva” de Palmas, atrações circenses, oficinas de Cinema, exibição de filmes no Cine-Art, oficinas de Teatro e dança. Realiza aulas de capoeira, ensaios, leituras dramáticas, o projeto “O Diário para os detentos” nas casas de prisão provisórias de Goiânia num trabalho de reinserção social.


O SAPPI promove em Goiânia, no Instituto Rizzo, seminário dedicado à gestão de empresa audiovisual, gerenciamento e distribuição de projetos para cinema, TV e internet. Além de estimular a produção audiovisual goiana, o SAPPI aproxima realidades brasileiras, mediante a troca de experiências com participantes de todas as regiões do Brasil.


Lázaro Ribeiro é fotógrafo, documentarista e produtor independente.  Graduado em História, vale de sua bagagem cultural para produzir registros do cotidiano da Cidade de Goiás. Foi premiado no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental – FICA. Atualmente, finaliza um ensaio fotográfico em homenagem à poetisa Diva Paiva e trabalha numa exposição de fotopoemas numa abordagem da semiótica do corpo.


A Academia Goiana de Letras é representativa instituição cultural de Goiás. Foi fundada em 29 de abril de 1939. Dentre as realizações de 2013/2014 dessa Casa de Cultura, estão: lançamento de selo comemorativo; edição especial da Revista AGL; reforma da sede; programação comemorativa do Ano Cultural Moema de Castro e Silva Olival, compreendendo palestras, debates, estudos sobre os gêneros literários conto, romance e poesia em Goiás. Atualmente é presidida pelo escritor e advogado Getúlio Targino Lima.


O Fronteira busca criar um movimento de reflexão acerca de uma produção cinematográfica desafiadora dos limites propostos para a linguagem audiovisual. Os filmes que produz mostram lugares específicos como gêneros e abrem experiência cinematográfica para percepções mais livres do mundo.


PLACA
Homenagem Especial ao Suplemento Opção Cultural, do Jornal Opção, pelos anos ininterruptos de publicação periódica do Suplemento Cultural, único no Estado de Goiás.
  
  

Serviço:
Evento: Entrega do Troféu Jaburu 2014, Medalhas de Mérito Cultural e Diplomas de Destaque Cultural do Ano.
Data: 02, terça-feira, às 20 horas
Local: Palácio das Esmeraldas  
Realização: Conselho Estadual de Cultura – Governo de Goiás
Informações: 3201-9896 | ceculturagoias@gmail.com

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Moção do CEC-GO sobre a Reserva Estadual Serra Dourada



Câmara Técnica nº 3 - Memória e Patrimônio Cultural

MOÇÃO DO CONSELHO ESTADUAL DE CULTURA DE GOIÁS
RESERVA ESTADUAL DA SERRA DOURADA.
           
O Conselho Estadual de Cultura, tomando conhecimento pelo noticiário da mídia, cientificou-se da pretensão de se redelimitar a Reserva Estadual da Serra Dourada, localizada nos municípios da Cidade de Goiás, Mossâmedes e Buriti de Goiás.
A redelimitação, se consumada, reduzirá a reserva em 16.500 ha, equivalendo-se a 42% da área total que é de 28.625 ha.
Trata-se de uma questão polêmica e danosa à preservação da flora, fauna e dos recursos hídricos, haja vista que a bacia do Rio Vermelho localiza-se na região da Serra Dourada.
Considerando a questão pelo prisma do patrimônio natural, vários aspectos são assinalados. Além da vegetação e fauna da reserva, outros bens ali existem. São legítimos patrimônios materiais goianos, como as antigas sedes de fazendas, os muros e cercas de pedras construídos no tempo da escravidão e ruinas remanescentes da época da mineração, portanto, do Brasil Colônia, afora as riquezas arqueológicas que devem ser preservadas.
Sob o ângulo da localização da Reserva Estadual da Serra Dourada, basta lembrar que esta área geográfica do entorno da Cidade de Goiás foi contemplada na Proposição de Inscrição da Cidade de Goiás na Lista do Patrimônio da Humanidade. Este documento apresentando a Cidade de Goiás e seu entorno, inicia-se com o Formulário de Inscrição, dividido em sete itens: I -Identificação do Bem, II - Justificativa de Inscrição, III - Descrição, IV - Gestão, V - Ameaças ao Bem, VI - Manutenção e VII - Documentação.
No item VI, Manutenção, na página 09, está registrado:
A Serra Dourada, cuja presença é tão importante na paisagem de Goiás, está sendo progressivamente protegida. Em 1969, a Universidade Federal de Goiás criou a Reserva Biológica da Serra Dourada, denominada Reserva Professor Rizzo. Em 1988, o Estado de Goiás criou uma área de proteção ambiental chamada APA – Serra Dourada. Uma terceira área de proteção está em curso. Ela assegurará proteção total da paisagem, desde o Centro da Cidade até o cume da Serra.
Fica bem claro que à UNESCO, para apreciação do pedido de tombamento da Cidade de Goiás como Patrimônio da Humanidade, apresentou-se o engajamento do Estado de Goiás e da Universidade Federal de Goiás, em um “progressivo” trabalho de preservação do ambiente natural da Serra Dourada. Ainda mais, segundo a Proposição de Inscrição da Cidade de Goiás na Lista do Patrimônio da Humanidade, patenteou-se à UNESCO a ampliação da área natural da Serra Dourada.
Dessa forma, como se poderia, agora, justificar a diminuição da Reserva Estadual da Serra Dourada? Como a UNESCO verá esta quebra de compromisso?
É oportuno lembrar que várias cidades brasileiras tombadas como Patrimônio da Humanidade já tiveram este tombamento ameaçado de cassação pela UNESCO. É o caso de Brasília, Olinda, São Luis do Maranhão, Ouro Preto e Congonhas do Campo. Com esta última cidade mineira, Goiás tem muito a aprender. A ameaça ao seu tombamento veio justamente do desrespeito à paisagem natural de seu entorno. Por Interesse de mineradoras quiseram tirar o tombamento do Morro do Engenho que emoldura aquela cidade. Isto quase acarretou a quebra da convenção, o que poderia levar o bem tombado para a lista de Patrimônio Mundial em Perigo (cf. http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/03/12/interna_politica,282856/mp-pode-pedir-que-profetas-de-congonhas-deixem-de-ser-patrimonio-da-humanidade.shtml).
Não se pode esquecer as implicações legais tendo em vista o ordenamento jurídico brasileiro. O art. 128 da Constituição do Estado de Goiás diz claramente que
Para promover, de forma eficaz, a preservação da diversidade biológica, cumpre ao Estado: 
I - criar unidades de preservação, assegurando a integridade de no mínimo vinte por cento do seu território e a representatividade de todos os tipos de ecossistemas nele existentes;
O Estado de Goiás é uma das Unidades da Federação com menor índice de áreas legalmente protegidas que possam contribuir para assegurar a conservação da biodiversidade. Possui, apenas, cerca de 3,63% do seu território protegido, quando esta área deveria ser de 20%.
Esta pretensão de se reduzir a extensão da Reserva Estadual da Serra Dourada é prejudicial à manutenção do título de Patrimônio da Humanidade e aventa contra a legislação goiana. Além disso, pode se constituir em descumprimento do compromisso firmado pelo Governo de Goiás quanto à proteção da paisagem e do patrimônio ambiental, em função do reconhecimento da Cidade de Goiás como Patrimônio Mundial.
O título de Patrimônio da Humanidade concedido à Cidade de Goiás, deu-se com vinculação à preservação, pelo Estado de Goiás, da Serra Dourada. Esta é uma condição sine qua non para que a Cidade de Goiás não venha a perder o título que lhe foi concedido.
Portanto, a Serra Dourada é um patrimônio natural e geográfico de Goiás. A redelimitação desta Reserva Estadual da Serra Dourada, se ocorrer, colocará em risco a permanência do título concedido pela UNESCO.




Redação final revista e aprovada em Sessão Plenária do dia 13 de junho de 2014. 

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Troféu Jaburu 2013 será entregue na próxima quarta-feira



           
Ely Camargo (em capa de disco lançado em parceria com Roberto Correa) e Marcos Fayad (registrado no filme de Joaquim Pedro de Andrade) são os dois principais homenageados da noite de premiações.


A solenidade de entrega do Troféu Jaburu – Edição 2013 acontece na próxima quarta-feira (dia 12 de fevereiro), às 20 horas, no Palácio das Esmeraldas. Presidida pelo Governador, a sessão fará a entrega do prêmio principal ao ator e diretor Marcos Fayad e à cantora e folclorista Ely Camargo. A cerimônia será aberta apenas a autoridades, imprensa e convidados. Saiba mais sobre o prêmio que há três décadas é concedido junto a outras comendas pelo Conselho Estadual de Cultura e confira a lista completa dos homenageados do ano de 2013.


            Ao término de cada ano, tradicionalmente no mês de novembro, o Conselho Estadual de Cultura (CEC-GO) realiza uma sessão aberta com o objetivo de homenagear e reconhecer o mérito de personalidades e instituições que se destacam por sua atuação no meio cultural, no âmbito do estado. Criado por lei no fim da década de 1970 e entregue pela primeira vez à Cora Coralina, em 1980, o Troféu Jaburu (escultura em bronze de autoria da artista Neuza Moraes) é considerado a mais distinta comenda que o Governo de Goiás concede aos nomes e valores da cultura goiana. A solenidade - que não ocorreu no mês de novembro do ano passado em função de uma reforma que estava em curso no Palácio das Esmeraldas - será presidida pelo governador Marconi Perillo e apresenta algumas novidades em relação aos anos anteriores.
           
            Uma das novidades desta edição será a entrega de uma placa de deferência para as dez empresas que mais investiram em projetos culturais beneficiados pela Lei Goyazes, nos três últimos anos. A outra novidade será a concessão de dois e não apenas um troféu Jaburu, como de costume. “O troféu será entregue a dois artistas goianos cuja contribuição não poderia mais ser ignorada pelo histórico desta premiação, no entendimento dos atuais conselheiros”, explica o presidente do CEC, Carlos Cipriano.

O presidente explica que desde 2001, apenas um troféu vinha sendo entregue a apenas um contemplado, por deliberação de uma Resolução do Conselho. O homenageado é escolhido a partir do voto dos doze conselheiros e a regra desta eleição diz que se nenhum candidato for escolhido pela maioria, ao longo de três escrutínios, o prêmio não pode ser entregue naquele ano. “Houve uma acirrada disputa entre os nomes de Ely Camargo e Marcos Fayad, que centralizaram a preferência desde a primeira votação. Diante da possibilidade de empate, na votação final e definitiva, e do risco de não termos pelo menos um nome eleito pela maioria, os conselheiros optaram por não fazer a terceira votação e, com isso, abrir uma exceção à regra da exclusividade”, justifica Cipriano.
           
           
Trajetória dos artistas homenageados com o Troféu Jaburu

            Marcos Fayad é natural de Catalão e mudou-se nos anos 1960 para o Rio de Janeiro, onde cursou Psicologia (PUC-RJ). Entre 1967-75, atuou como ator e diretor no meio teatral universitário do Rio e de Petrópolis, até criar o “Grupo Engenho”, que estreou profissionalmente em 1976, com a peça “Esperando Godot” e realizou outras quatro montagens, entre elas, “Peer Gynt”, espetáculo que alcançou sucesso de público e crítica. O grupo foi extinto em 1982. Nos anos 80, Marcos foi diretor assistente e ator de séries da TV Globo. Também participou como ator em longas-metragens brasileiros, como “O homem do Pau Brasil”, de Joaquim Pedro de Andrade. Dirigiu montagens onde dividiu o palco com Ítala Nandi, Paulo Guarnieri, entre outros atores conhecidos, ministrou cursos e oficinas para artistas brasileiros e latino-americanos, no sudeste e no nordeste brasileiro e em Caracas (Venezuela). Em 1987, foi convidado pela Secretaria de Cultura de Goiás para atuar no estado em que nasceu e transferiu-se para Goiânia, onde criou e dirigiu por quatro anos o Centro Cultural Martim Cererê e montou espetáculo homônimo, com o qual apresentou-se em Dijon (França) e ganhou o Prêmio Mambembe pela Melhor Cenografia, junto a Siron Franco. À frente da Companhia Teatral Martim Cererê, fez dezenas de montagens que foram fundamentais à formação de gerações sucessivas de atores e atrizes que hoje atuam nos palcos e filmes goianos e brasileiros, tendo participado com tais peças do Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI), na Cidade do Porto (Portugal), no fim dos anos 90 e ao longo da década seguinte. O diretor da Cia. Teatral Martim Cererê teve sua vida e obra analisados pela crítica de teatro Carmelinda Guimarães, no livro “Marcos Fayad, a poética do Cerrado”, lançado em 2002. Mais recentemente, Fayad tem percorrido o circuito Rio-SP com seus monólogos – o último deles, sobre Antonin Artaud, “A realidade é doida varrida”, foi destaque em todas as grandes publicações da imprensa nacional, em 2013. A principal crítica de teatro do Brasil, Bárbara Heliodora, referindo-se a este espetáculo, afirmou que “Marcos Fayad é um dos maiores nomes do teatro nacional. Tem uma atuação bonita e elegante... enquanto ao mesmo tempo deixa transparecer cada emoção, cada dor, cada alegria, cada manifestação de humor”.

            Ely Camargo também é um grande nome para a música e para o folclore brasileiro. Cantora, folclorista, violonista e radialista, ainda criança cantou em coros de Igreja e atuou na Rádio Clube de Goiânia. É considerada uma das principais intérpretes do folclore brasileiro. Em 1960, participou do Trio Guairá de Goiânia. Nos anos seguintes, apresentou-se no programa que produzia na Rádio Brasil Central, retransmitido em Brasília pela Rádio e TV Nacional. Em 1962, mudou-se para São Paulo e assinou seu primeiro contrato com a Rede Tupi de rádio e televisão. No mesmo ano, gravou "Caninha verde", do folclore paulista, no LP "Canções da minha terra", além do arrasta-pé "Santo Antônio, tenha dó", de Maria do Rosário Veiga Torres, e o samba caipira "Marido pelado", de Teddy Vieira e Almayara. Em 1963, gravou a valsa "Tempos passados", de Zica Bergami, e a moda de viola "Lá na venda, lá na vendinha", de Lourdes Maia. Em 1964, gravou o LP "Folclore do Brasil", em que interpretou cantos de trabalho nas plantações de arroz de São João da Boa Vista e um canto de ferreiro, de Botucatu. Como pesquisadora de folclore reuniu em suas viagens pelo nordeste e norte um grande acervo pessoal. Em 1967, participou com grande sucesso da “Semana Cornélio Pires” realizada na cidade paulista de Tietê. Em 1968, gravou o LP "Canção da guitarra", com músicas de Marcelo Tupinambá. Ao longo da carreira gravou cerca de 15 LPs, além de compactos. Teve discos lançados na África do Sul, Alemanha, Portugal e Itália. Em 1978 lançou o LP "Minha terra", no qual interpreta entre outras, "História triste de uma praieira", "Minha terra" e "Vida marvada". O disco foi saudado com entusiasmo pelo crítico José Ramos Tinhorão em crônica publicada no Jornal do Brasil. Um de seus grandes sucessos como compositora foi "O menino e o circo", gravada por Cascatinha e Inhana. Em 1999, lançou o CD “Cantigas do povo", álbum que já havia sido lançado em forma de LP em 1983 e que teve a participação especial da Banda de Pífanos de Caruaru. A produtora audiovisual Mandra Filmes está realizando um longa-metragem sobre a vida e a obra de Ely Camargo e sua contribuição à cultura brasileira, com direção de Julio Vann e Thiago Camargo. O documentário vai se chamar “Ely Camargo – Água da Fonte” e um pouco deste material pode ser conferido no site da Mandra: http://www.mandra.com.br/videos/11.


            Medalhas de Mérito Cultural

            Além do Troféu Jaburu, a solenidade de quarta-feira também fará a entrega das Medalhas de Mérito Cultural, em total de seis comendas (distribuídas entre as áreas de Artes Cênicas, Artes Plásticas, Audiovisual, Letras, Memória e Patrimônio Cultural e Música). As medalhas serão entregues a personalidades que tiveram uma trajetória de significativa dedicação a ações nesses segmentos artístico-culturais.

A edição do Troféu Jaburu 2013 concederá a medalha da área de Artes Cênicas a Vera Bicalho, que criou há 25 anos a Quasar Cia. de Dança junto a Henrique Rodovalho, contribuindo de forma definitiva na construção do profissionalismo do fazer artístico no estado. Através do trabalho de Vera, a Quasar alcançou repercussão e atuação internacional e acumulou, em seu currículo, a montagem de duas dezenas de espetáculos, fazendo com que o Brasil e o mundo voltassem os olhos para Goiás.

Por sua vez, a medalha de Artes Plásticas será concedida a Gilmar Camilo, responsável pela curadoria e realização de diversas exposições de arte no estado e pela articulação da vinda de notórios artistas, jornalistas e críticos de arte à Goiás. Gilmar participou como jurado de salões nacionais em Goiás e São Paulo e foi grande incentivador de jovens artistas goianos.

Já a medalha de Audiovisual será entregue a Maria Abdalla, presidente do Instituto de Cultura e Meio Ambiente (ICUMAM). Abdalla é idealizadora e responsável pela realização da Goiânia Mostra Curtas, do Circuito Cinema Popular e do Curso de Formação Profissional para Cinema, entre outros projetos que contribuíram para a democratização do fazer cinematográfico em Goiás e para a difusão do audiovisual brasileiro pelo interior do estado.

A medalha de Letras vai para Delermando Vieira Sobrinho¸ vencedor de inúmeros concursos literários, tendo acumulado mais de cem prêmios ao longo de sua trajetória artística. É considerado pela crítica um dos maiores poetas de sua geração e figura na lista dos escritores mais premiados do Brasil.

Na área da Memória e do Patrimônio Cultural, será homenageada com medalha Maria Teresinha Campos de Santana¸ pela trajetória profissional pautada em defesa do patrimônio cultural, sendo a responsável pelos projetos de criação dos museus Pedro Ludovico Teixeira, Imagem e do Som (MIS), bem como pelo Centro Cultural Jesco Puttkamer da PUC-GO, entre outros museus do estado.

Na área da Música, a medalha será concedida ao maestro Eliseu Ferreira¸ regente com esmerada formação técnica no Brasil e no exterior, que tem se destacado, ao longo das últimas décadas, como elemento propulsor de formação de músicos instrumentistas de orquestra. É fruto de seu trabalho pedagógico a criação e atuação da Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de Goiás, hoje em projeção internacional.


            A solenidade de entrega do Troféu Jaburu também oportunizará a entrega de Diplomas de Destaque Cultural do Ano de 2013 a vinte iniciativas de personalidades e instituições que se destacaram no cenário cultural e artístico do estado, na capital ou no interior de Goiás, no período compreendido entre os meses de setembro de 2012 e setembro de 2013.

            Diplomados da Capital
           
            No conjunto de personalidades que atuam em Goiânia, receberão Diploma de Destaque Cultural o escritor Heitor Rosa, pelo lançamento de seus principais romances históricos em língua inglesa e francesa; o produtor de longas-metragens e séries televisivas, Celso Martins de Oliveira (Celsão) e a produtora de animações Mandra Filmes, cujo curta-metragem “Destimação”, de Ricardo de Podestá, participou de festivais nacionais e internacionais, concorrendo em 2013 ao Urso de Cristal do Festival de Berlim. Dois artistas da música que residem na capital também serão homenageados com diplomas: a cantora lírica e professora Goiana Vieira da Anunciação e o violeiro Marcus Biancardini, cujas apresentações encantam plateias do Brasil e do exterior.

            O apresentador do Programa Frutos da Terra, Hamilton Carneiro, é outro a ser destacado com diploma nesta solenidade. Veiculado pela TV Anhanguera (Organizações Jaime Câmara) há 30 anos, o programa tornou-se notoriamente o divulgador maior das raízes, tradições e das artes goianas.

Entre as mais relevantes homenagens desta edição, está o reconhecimento ao trabalho desenvolvido por uma equipe do Museu Antropológico da UFG, (Manuel Ferreira Lima Filho, Nei Clara de Lima, Rosani Moreira Leitão, Telma Camargo da Silva e Maíra Torres Corrêa - historiadora da Superintendência do IPHAN em Goiás), que integraram a equipe de pesquisadores responsável pela pesquisa “Bonecas Karajá: arte, memória e identidade indígena no Araguaia”, com o objetivo de levantar informações etnográficas sobre o povo Karajá e, em especial, sobre o ofício e o modo de fazer a boneca cerâmica ritxòkò, pesquisa esta que subsidiou o pedido de registro desse bem cultural como patrimônio cultural imaterial brasileiro, aprovado no ano de 2012. Para Rosani Leitão, “Esse diploma de destaque cultural reflete não apenas o reconhecimento do nosso trabalho, mas também visibilidade política dos Karajá, após o registro das bonecas de cerâmica como patrimônio cultural”.

Outras quatro instituições de Goiânia terão seu trabalho destacado pelo Conselho: a CARA Vídeo Locadora, que ao longo de 25 anos contribuiu para a ampliação da cultura cinematográfica em Goiás; o Serviço Social do Comércio (SESC-GO), pela realização da 2ª edição do “SESC Aldeia Diabo Velho”, que ofereceu excelente programação e promoveu a residência e o intercâmbio entre grupos de artes cênicas do interior de Goiás; a Coordenação de Arte e Cultura da PUC-GO, pelos 30 anos de estímulo e fomento à produção artística e à circulação da arte e da cultura produzidas no meio universitário de Goiás; o Restaurante Panela Mágica, pelo constante apoio aos eventos culturais, sendo referência em atender de forma atenciosa às solicitações de artistas e produtores culturais que atuam na capital, um grande parceiro, portanto, da cultura goianiense.

Diplomados do interior de Goiás

Entre os homenageados com Diplomas de Destaque Cultural que atuam no interior de Goiás estão dois artistas da cidade de Anápolis: Cida Lino, que é precursora da dança no município e trabalha na formação de novos talentos na área, e Stallin Siriguela (Cia. Tem Sim Sinhô), responsável pela realização anual do Encontro Nacional de Palhaços e Circo de Anápolis. O trabalho abnegado de mais de 30 anos de militância e dedicação à cultura desenvolvido por Benedito Magno Vieira, no município de Itaberaí, também será reconhecido com um diploma.

Ainda entre as iniciativas do interior que serão homenageadas está o trabalho da Cia. Express’arte. Recentemente a companhia levou para as telas do cinema e para os palcos do teatro os feitos de pessoas que fizeram parte da história das cidades de Goiás (Goiandira do Couto) e de Catalão (Antero). Também serão destacados o Grupo Encantos, da cidade de Iporá, único grupo goiano convidado a participar da Jornada Mundial da Juventude, evento realizado em 2013, no Rio de Janeiro, além do Coral Solo, que sob a regência de Sebastião Curado realiza todos os anos o Encontro de Corais “Darcília Amorim”, evento que reúne corais de todo o Brasil na cidade de Goiás.

Já entre as iniciativas culturais que partem do poder público, nos diferentes municípios goianos, e que concorreram ao Diploma de Destaque Cultural em 2013, ressalta-se nesta edição a atuação de três prefeituras: Acreúna, Formosa e Serranópolis. Em Acreúna, chama atenção o trabalho do diretor de cultura Ruyter Fernandes Barbosa, que promove ações que dão vida à Biblioteca Municipal Jerônimo Martins Marquez, como as sessões do Cineclube Sétima Arte e o projeto “Heróis de Papel”, incentivador do contato com a leitura através dos gibis, entre outras ações que visam manter vivo o interesse pela arte e pela cultura num município cujo poder público historicamente deu pouca atenção à área.

Em Formosa, a secretária de cultura Vera Pereira Couto vem se destacando pelas diversas ações implementadas, como a criação e manutenção da Companhia Municipal de Teatro de Formosa, o apoio à realização do VI Congresso Latino-Americano de Compreensão Leitora e a inauguração do Espaço Cidadania, oferecendo cursos de teatro e música, e de Centros de Usos Múltiplos que sirvam de palco à difusão artística nos bairros, atuando de forma a transformar o cenário cultural da cidade.

Por sua vez, o destaque de Serranópolis é a atuação da secretária de cultura e turismo, Neila Carvalho Lima, que há três anos é responsável pelo “Armazém Cultural”, criado a partir da revitalização de um armazém de arroz construído nos anos 1970. Trata-se de um complexo cultural mantido pela prefeitura, com quatro galpões que abrigam o Museu Serra do Cafezal, o Bazar Serrano, a Oficina Poli-Arte e a Sala Eliziário. O complexo tem sido palco de diversas apresentações e eventos culturais que deram outra feição à vida cultural e social de Serranópolis.

           

Empresas Parceiras do Programa Goyazes

Atendendo um pedido da Secretaria de Estado da Casa Civil, o CEC-GO também preparou uma ação de reconhecimento às empresas que mais investiram em projetos financiados com dedução do ICMS através do Programa Goyazes, nos últimos três anos. A partir de levantamento dos dados de patrocínio do Goyazes, disponibilizados pela Secretaria de Estado da Cultura (SeCult-Goiás), o Conselho chegou ao nome das dez empresas que mais investiram em Cultura através da Lei Estadual de Incentivo – Lei Goyazes, entre janeiro de 2011 e setembro de 2013. Durante a solenidade, estas empresas receberão como distinção do Governo estadual uma placa de destaque pelo compromisso com o desenvolvimento do setor cultural em Goiás.

Segue abaixo, por ordem classificativa, a relação das dez empresas que mais investiram no Programa Goyazes nos útlimos anos:

  1. Belcar Caminhões e Máquinas Ltda
  2. SAMA S/A – Minerações Associadas
  3. Navesa Nacional de Veículos Ltda
  4. Complem – Cooperativa Mista dos Produtores de Leite de Morrinhos
  5. Novo Mundo Móveis e Utilidades Ltda
  6. Papelaria Tributária
  7. Futura Caminhões e Máquinas Ltda
  8. Cipa Industrial de Produtos Alimentares Ltda
  9. RMZ Distribuidora de Cosméticos Ltda
  10. Rodonaves Transportes e Encomendas Ltda





Cerimônia para convidados e imprensa

O Conselho Estadual de Cultura informa que, em função da quantidade de comendas e placas a serem concedidas nesta solenidade e da capacidade de lotação do Salão Dona Gercina Borges, do Palácio das Esmeraldas, o acesso à sessão de premiação será restrito à imprensa, às autoridades e aos homenageados, além de convidados. O objetivo desta medida, de acordo com o presidente do Conselho, é “tornar a cerimônia mais confortável e agradável para os próprios homenageados, que muitas vezes têm que aguardar por horas e, ainda por cima, em pé, o momento de receber a sua comenda. Assim optamos por fazer uma redução do público que presenciará a entrega das comendas, para benefício do próprio evento”, explica Cipriano.

Serviço:

Entrega das Comendas da Cultura do Estado de Goiás
Troféu Jaburu – Edição 2013
Local: Palácio das Esmeraldas, Praça Cívica, Centro – Goiânia
Data: 12 de fevereiro de 2014 (quarta-feira)
Horário: 20 horas
Entrada: Mediante apresentação de convite individual.


Relação completa dos homenageados do ano de 2013:


TROFÉU JABURU:

Ely Camargo e Marcos Fayad


MEDALHAS DE MÉRITO CULTURAL:

Artes Cênicas: Vera Bicalho

Artes Plásticas: Gilmar Camilo

Audiovisual: Maria Aparecida Abdalla

Letras: Delermando Vieira Sobrinho

Música: Eliseu Ferreira
     
Memória e Patrimônio Cultural: Maria Teresinha Campos de Santana


DIPLOMAS DE DESTAQUE CULTURAL DO ANO:

Aparecida Ramos Lino – Cida Lino
Benedito Magno Vieira
CARA Vídeo Locadora
Celso Martins de Oliveira – “Celsão”
Cia. Express’Arte
Coordenação de Arte e Cultura – PUC-GO
Coral Solo
Goiana Vieira da Anunciação
Grupo Encantos
Hamilton Carneiro
Heitor Rosa
Israel Stallin Ferreira Diniz – Palhaço “Siriguela”
Mandra Filmes
Marcus Biancardini
Museu Antropológico da UFG
Prefeitura de Acreúna e Secretaria Municipal de Cultura de Acreúna
Prefeitura de Formosa e Secretaria Municipal de Cultura de Formosa
Prefeitura de Serranópolis e Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Serranópolis
Restaurante Panela Mágica
Serviço Social do Comércio – Administração Regional do SESC Goiás